domingo, 31 de maio de 2009

Os Leões de Bagdá HQ



OS LEÕES DE BAGDÁ Título: OS LEÕES DE BAGDÁ (Panini Comics) - Edição especial

Autores: Brian K. Vaughan (roteiro) e Niko Henrichon (arte).

Preço: R$ 19,90

Número de páginas: 140

Data de lançamento: Junho de 2008

Sinopse: Durante os bombardeios norte-americanos ao Iraque, um zoológico é atingido e um bando de leões escapa.

Agora, eles precisam aprender a lidar com a inesperada liberdade.

Positivo/Negativo: Os Leões de Bagdá trata-se de uma grande metáfora. Ela não está nem um pouco escondida, na verdade. Ao retratar felinos que anseiam por liberdade, mas não tem capacidade de escapar do zoológico; e que conseguem a inesperada liberdade graças a um bombardeio norte-americano, fica claro que Brian K. Vaughan está falando do próprio povo iraquiano.

Apesar da pouca sutileza, a obra tem uma narrativa fluida, sutil, mas nem por isso a trama deixa de ser densa e pesada. Como numa fábula moderna, Vaughan retrata o caminho da família de leões pela Bagdá recém-destruída, compondo-a de diversas referências e mais figuras míticas, que envolvem o leitor na história.

Os aspectos das personagens leoninas são marcantes. Os autores dão a cada um dos leões adultos um tipo de liderança e comportamento tipicamente humanos. O macho Zill, por exemplo, é pragmático e indeciso. Opta, na maioria das vezes, pelo caminho mais simples.

Já a fêmea mais jovem, Noor, mãe do intempestivo Ali, é a mais decidida do bando. Seu comportamento é claramente o de uma líder motivadora. Por último, Safa é uma anciã que preza pelo conhecimento, pela experiência, e que carrega muitas marcas de feridas, tanto no corpo quanto nas suas lembranças.

Cada um deles é conclamado a liderar o grupo em diferentes momentos, quando suas habilidades se fazem necessárias. A sobrevivência depende do trabalho em equipe.

Outro aspecto interessante na personalidade dos felinos é que, a todo o momento, eles relembram os arquetípicos leões que povoam a mente do leitor. O filhote Ali é a cara do jovem Simba, de o Rei Leão. Já Zill tem o comportamento parecido com o do Leão Covarde, de O Mágico de Oz.

Mesmo a natureza animal dos leões, segundo a qual as fêmeas caçam e os machos apenas lutam pela supremacia do clã, está presente.

E para compor tudo isso dentro uma narrativa competente e bem amarrada, Vaughan teve ajuda do ótimo desenhista Niko Henrichon, que compôs as cenas de maneira detalhista e brilhante.

O artista soube manter o clima tenso em toda a trama. As cores estão na medida certa. Todos os tons remontam ao clima árido do Iraque. Mesmo quando estão próximos do rio Tigre, fica clara a sensação climática.

A caracterização dos personagens é um show à parte. Mesmo sem apelar para a antropomorfização dos animais, Henrichon conferiu a eles as expressões humanas mais marcantes, como angústia, hesitação ou mesmo desejo.

A edição da Panini é competente (a obra mereceu até um hotsite). Por se tratar de um produto para livrarias, houve um cuidado gráfico e editorial maior, com orelhas e capa cartonada - e o melhor: preço convidativo. Apesar de haver uma breve apresentação sobre os autores no fim do álbum, um texto de apresentação ou posfácio seria um ótimo bônus para esta ótima HQ.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget